Dedicação às plantas medicinais e aromáticas

12/09/2014

Graduada em Agronomia pela Universidade de Taubaté em 1991, a engenheira agrônoma Sandra Maria Pereira da Silva, de 46 anos, fez mestrado em Agronomia pela Universidade Federal de Lavras e doutorado em Agronomia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita. Desde junho de 2005 ocupa o cargo de pesquisadora científica do Pólo Regional do Vale do Paraíba da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios/APTA da Secretaria de Agricultura e Abastecimento, que tem sede em Pindamonhangaba. Atualmente Sandra desenvolve atividades de pesquisa agronômicas e etnobotânicas sobre plantas medicinais e aromáticas, nativas e exóticas. Ela se dedica ao desenvolvimento de pesquisas relativas ao estudo agronômico e fotoquímico de plantas medicinais e aromáticas; produção de óleos essenciais e seus usos em sanidade vegetal e sanidade animal, em parceria com outros pesquisadores, e promove a difusão tecnológica para a organização desta Cadeia Produtiva no Vale do Paraíba, Serra da Mantiqueira e região. Para ela, a UNITAU é uma instituição tradicional e relevante que mostra sua excelência ao estar sempre investindo em novos c ursos, pós-graduação, pesquisa científica, extensão e cultura, e difundir conhecimento em toda região. Exemplo disso, segundo a ex-aluna, foi à experiência do grupo de estudos organizado na UNITAU pelo Prof. Dr. Marcos Roberto Furlan sobre agricultura orgânica planta não convencional e plantas medicinais. Foi o meu primeiro contato com essa proposta de vanguarda e fez com que eu me apaixonasse por esse assunto. "Quando me formei este assunto não era discutido ou estudado na maioria das faculdades de Agronomia", conta. PREX/UNITAU

Graduada em Agronomia pela Universidade de Taubaté em 1991, a engenheira agrônoma Sandra Maria Pereira da Silva, de 46 anos, fez mestrado em Agronomia pela Universidade Federal de Lavras e doutorado em Agronomia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita. Desde junho de 2005 ocupa o cargo de pesquisadora científica do Pólo Regional do Vale do Paraíba da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios/APTA da Secretaria de Agricultura e Abastecimento, que tem sede em Pindamonhangaba.

Atualmente Sandra desenvolve atividades de pesquisa agronômicas e etnobotânicas sobre plantas medicinais e aromáticas, nativas e exóticas. Ela se dedica ao desenvolvimento de pesquisas relativas ao estudo agronômico e fotoquímico de plantas medicinais e aromáticas; produção de óleos essenciais e seus usos em sanidade vegetal e sanidade animal, em parceria com outros pesquisadores, e promove a difusão tecnológica para a organização desta Cadeia Produtiva no Vale do Paraíba, Serra da Mantiqueira e região.

Para ela, a UNITAU é uma instituição tradicional e relevante que mostra sua excelência ao estar sempre investindo em novos c ursos, pós-graduação, pesquisa científica, extensão e cultura, e difundir conhecimento em toda região.

Exemplo disso, segundo a ex-aluna, foi à experiência do grupo de estudos organizado na UNITAU pelo Prof. Dr. Marcos Roberto Furlan sobre agricultura orgânica planta não convencional e plantas medicinais. Foi o meu primeiro contato com essa proposta de vanguarda e fez com que eu me apaixonasse por esse assunto. “Quando me formei este assunto não era discutido ou estudado na maioria das faculdades de Agronomia”, conta.

PREX/UNITAU